sexta-feira, 11 de julho de 2014

Pensador nacionalista russo Dugin vê guerra com a Ucrânia

Pensador nacionalista russo

 Dugin vê guerra com a Ucrânia


Alexander Dugin (foto cortesia de Alexander Dugin)Alexander Dugin acredita que a luta separatista tem re-despertou o "espírito russo"
Um proeminente filósofo ultra-nacionalista russo disse à BBC News que a guerra entre a Rússia ea Ucrânia "é inevitável" e pediu ao presidente Vladimir Putin de intervir militarmente no leste da Ucrânia "para salvar a autoridade moral da Rússia".
Alexander Dugin é o fundador do movimento da Eurásia da Rússia. Seus pontos de vista são acreditados para ser popular entre a elite russa hawkish. Até recentemente, ele também foi professor na Universidade Estadual de Moscou, mas ele diz que seu estado atual com a universidade não é clara.
Suas opiniões não mudaram, diz ele, mas atitudes para seus pontos de vista entre os que estão no poder pode estar mudando.
A peça central da sua teoria geopolítica é que a missão da Rússia é desafiar o domínio dos EUA do mundo, com a ajuda do Irã, assim como partidos eurocépticos, que estão atualmente em ascensão na Europa.
Ele foi rotulado o cérebro por trás anexação popular do Presidente Putin de Crimea.
O próximo passo, ele proclama, é a intervenção militar no leste da Ucrânia, que ele chama regularmente Novorossiya (Nova Rússia). É um nome que também foi usada pelo presidente Putin.
Dugin acredita que o "espírito russo" foi re-despertado pela luta separatista lá, o que ele chama de "Primavera Russa".
O símbolo desse espírito é o comandante rebelde Igor Strelkov, apoiado por Dugin que mantém contato regular com os lutadores em Donetsk.
As tropas russas em exercícios perto da fronteira com a Ucrânia, 25 de abrilAs tropas russas em exercícios perto da fronteira com a Ucrânia, em abril
Falando ao telefone de Moscou, em Inglês claro e com um senso de urgência em sua voz, Dugin teme que a "Primavera Russa" está prestes a perder a sua dinâmica: "É uma verdadeira bagunça.
"Os liberais são contra Putin, e os patriotas apoiá-lo, mas apenas se ele continuar com suas políticas patrióticas. Enquanto ele está hesitando, ele está perdendo o apoio de ambos os lados. É um jogo perigoso. Mas talvez ele tem uma solução? "

"Iniciar Citação

Lado patriótico de Putin é suportado pela maioria dos russos, e sua sombra liberal é representado pela maior parte da elite política "
Alexander Dugin
Alexander Dugin chamado para a anexação da Criméia, já em 2008, durante a guerra da Rússia com a Geórgia.
Ele viajou para a região disputada da Ossétia do Sul, onde foi fotografado com um lançador de foguetes.
Naquela época, ele acha que a Rússia deveria ter tomado as suas tropas até a capital da Geórgia, Tbilisi. Eles deveriam ter então deposto presidente Mikheil Saakashvili e mudou-se para assumir a Criméia ", que é parte da Rússia de qualquer maneira".
Tais pontos de vista vai ofender a maioria na Ucrânia e em outros países da antiga União Soviética. Na época, muitos russos teria encontrado extremo. Mas não mais.
Desde anexação da Criméia da Rússia, o índice de aprovação do presidente Putin subiu tão alto quanto 86%. De acordo com o Centro Levada independente em Moscou, dois terços dos russos aprovam os separatistas no leste da Ucrânia ea maioria acredita que Moscou deve oferecer apoio.
'Sombra Liberal'
Alexander Dugin (foto cortesia de Alexander Dugin)
Agora, com as forças da Ucrânia sobre a ofensiva contra os rebeldes nas regiões Donetsk e Luhansk, Dugin culpa "liberais" para a relutância do presidente Putin para enviar tropas.
Os "liberais", em sua opinião, são, principalmente, os empresários que fizeram suas fortunas na década de 1990. Se novas sanções econômicas são aplicados para a Rússia, eles são os únicos que estão a perder mais, porque eles estão "integrados na economia mundial."
Hesitação aparente do presidente Putin, na visão de Dugin, é devido a uma luta interna no governo russo - e na própria mente do presidente Putin.
"Esta é a luta entre as forças, ortodoxos, patrióticos conservadores - e as forças liberais, que também são muito fortes", diz ele.
Com efeito, ele pensa, existem dois lados conflitantes de Vladimir Putin.
"Lado patriótico de Putin é suportado pela maioria dos russos, e sua sombra liberal é representado pela maior parte da elite política, os oligarcas e seu primeiro-ministro, o Sr. [Dmitry] Medvedev."
Esta nota anti-establishment é popular entre a maioria dos russos, que não confiam no "elite liberal", culpando-os pelo caos dos anos 1990.
Não só muitos russos simpatizam com nova marca de Alexander Dugin de patriotismo militarista, alguns vão tão longe como a compra de seu próprio kit e viajar para leste da Ucrânia para se juntar aos grupos rebeldes.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

O falcão Kremlin chega em Milão para (re) lançar o desafio Eurásia

O falcão Kremlin chega em Milão para (re) lançar o desafio Eurásia

Sexta-feira em Milão, Aleksandr Dugin e Nicolai Lilin falar da Eurásia

Sexta-feira, 4 jul a 15, no Hotel Cavalieri de Milão irá acolher uma conferência interessante o desafio de Eurásia Rússia, organizada pela Lombardia-Rússia. Presente -, bem como o autor do famoso livro "Siberian Education 'Nicolai Lilin - o filósofo Aleksandr Dugin, líder do" Movimento da Eurásia "Internacional e autor do livro" Fundamentos da Geopolítica ". Só para que você saiba, aqui segue uma entrevista publicada no Estado periódico & Power.
Prof Dugin, a grande mídia e os líderes políticos ocidentais descrevem a situação recente na Ucrânia como um conflito entre a aliança do democrática e pró-europeia liberal e um regime autoritário com um ditador como presidente. Você concorda?
conhecer esta história e eu acredito que este tipo de análise é totalmente errado. Não podemos dividir o mundo de hoje como na Guerra Fria. Não existe um "mundo democrático", que está contra um "mundo antidemocrático", relatou o maior número de meios de comunicação ocidentais.
O seu país, a Rússia, é um dos núcleos deste assim chamado "mundo anti-democrática", se acreditamos em nossa mídia. E a Rússia com o presidente Vladimir Putin tenta intervir na política interna da Ucrânia, lemos ...
Isso é completamente errado. A Rússia é uma democracia liberal. Dê uma olhada na Constituição russa, temos um sistema eleitoral democrático, um parlamento em funcionamento, um sistema de livre mercado. A Constituição baseia-se no modelo ocidental. Nosso presidente Vladimir Putin governou o país de forma democrática. Nós não somos uma monarquia, uma ditadura, um regime comunista soviético.
Nossos políticos na Alemanha chamado Putin "ditador"!
Com que base?
Por causa de seu anti-LGBT, apoio para a Síria, os processos contra Mikhail Khodorkhovskij e 'Pussy motim' ...
Assim, o chamam de "ditador", porque eles não gostam da mentalidade russa. Cada ponto que você mencionou é completamente legítimo democraticamente. Não há um único elemento de "autoritário". Portanto, não se confundem: mesmo se você não gosta de política da Rússia não se pode negar que a Rússia é uma democracia liberal. O presidente Vladimir Putin aceita as regras do nosso sistema democrático e respeitá-los.Ele nunca violou uma única lei. Assim, a Rússia é parte do campo e do modelo democrático liberal da guerra fria não serve para explicar a crise na Ucrânia.
Então, como vamos descrever um conflito tão violenta e sangrenta?
Precisamos de uma análise clara da geopolítica e da civilização. Precisamos estabelecer os fatos históricos, mesmo que hoje em dia não estão na moda!
O que significa isso?
Ucrânia, hoje, é um estado que nunca existiu na história. É uma nova entidade. Esta entidade tem, pelo menos, duas partes completamente diferentes. Estes dois partidos têm uma identidade e uma cultura diferente. Há o oeste da Ucrânia, Europa Oriental unida em sua identidade. A grande maioria das pessoas que vivem no oeste da Ucrânia é considerado o Leste Europeu. E essa identidade é baseada na rejeição completa de qualquer idéia de Pan-eslavo Rússia. Os russos são considerados inimigos da vida. Nós podemos dizer o seguinte: eles odeiam os russos, a cultura russa e, claro, a política russa.Esta é uma parte importante de sua identidade.
Você não está irritado porque russa?
Para nada! É uma parte da identidade. Não significa necessariamente que eles querem ir para a guerra contra nós, mas eles não são como nós. Temos que respeitá-lo. Olha, os norte-americanos são odiados por muitos mais pessoas e aceitá-lo. Assim, quando os ucranianos ocidentais nos odeiam, não é nem ruim nem bom, é um fato. Vamos apenas dizer que nós aceitá-la. Não temos todos o amor!
Mas os ucranianos são russos como oriental e até mesmo mais do que você!
não tão rápido! A maioria das pessoas que vivem na parte oriental da Ucrânia compartilham uma identidade comum com o povo russo, história, civilização e geopolítica. O leste da Ucrânia é um país da Rússia e Eurásia. Portanto, há dois ucraniano.Vemos isso muito claramente na eleição. A população divide-se em todas as grandes questão política. Especialmente quando se trata de relações com a Rússia, testemunhamos como dramática torna-se o problema: uma parte é absolutamente anti-russa, a outra parte absolutamente pró-Rússia. Duas empresas diferentes, dois países diferentes e dois identidade nacional histórica diferente vivendo em uma única entidade.
Então a questão é que a empresa domina o outro?
Esta é uma parte importante da política ucraniana. Nós dois partidos e temos a capital Kiev. Mas, em Kiev têm ambas as identidades. Não é nem a capital, nem a Ucrânia ocidental no leste da Ucrânia. A capital da parte ocidental é Lvov, a capital da parte oriental é Kharkov. Kiev é a capital de uma entidade artificial. Isto é importante para entender o conflito.
Os meios de comunicação ocidentais e "nacionalistas" ucranianos discordam fortemente com o termo "artificial" para o Estado ucraniano.
Os fatos são claros. A criação do Estado da Ucrânia nas fronteiras actuais não é o resultado da história. Foi uma decisão burocrática e administrativa da União Soviética. A República Socialista Soviética da Ucrânia foi uma das 15 repúblicas da União Soviética de 1922 até 1991. Em todos estes 72 anos as fronteiras da república mudou muitas vezes, com uma parcela significativa do que é hoje a Ucrânia ocidental anexada dall'Armata Exército Vermelho em 1939, e com a adição da Criméia já russo em 1954.
Alguns políticos e analistas dizem que a solução mais fácil seria a divisão da Ucrânia em um dos orientais e ocidentais.
Não é tão fácil como pode parecer, porque teríamos problemas com minorias nacionais.Na parte ocidental da Ucrânia são o lar de muitas pessoas que se consideram russo hoje.Na parte oriental da população que vive deve ser considerada para a Ucrânia ocidental.Você vê, uma simples divisão do estado realmente não resolve o problema, mas que iria criar um novo. Podemos imaginar a separação da Crimeia, porque essa parte do território da Ucrânia habitada apenas por russos.
Por que parece que a União Europeia está tão preocupado com "importação" de todos estes problemas?
não é do interesse da Aliança Europeia, mas os Estados Unidos. É uma campanha política contra a Rússia. O convite para Bruxelas para a Ucrânia adesão ao Ocidente criou imediatamente um conflito e um conflito interno com Moscou para a Ucrânia. Isto não é surpreendente para quem sabe alguma coisa sobre a empresa e da história da Ucrânia.
Alguns políticos alemães disseram estar surpresos com as cenas de guerra civil em Kiev ...
Isso diz muito sobre a política de educação e sobre a história de sua crise política na Ucrânia ...
Mas o presidente ucraniano, Viktor Yanukovych se recusou a ocidental. Convite
claro. É foi eleito pelo Sul pró-russa e Oeste. Yanukovych não pode agir contra os interesses ea vontade do seu eleitorado. Se ele tivesse aceitado o convite da UE seria considerado um traidor por seus eleitores. Partidários de Yanukovych quer integração com a Rússia. Para colocá-lo claramente: Yanukovych fez simplesmente o que foi bastante lógico. Nenhuma surpresa, nenhum milagre. Simplesmente lógica política.
Existe agora uma aliança da oposição politicamente pluralista contra Yanukovych: Esta aliança inclui liberais, anarquistas, comunistas, grupos de extrema-direita, gays, mesmo nacionalista e grupos neo-nazistas e bandidos. O que une esses diferentes grupos e ideologias?
Eles estão unidos apenas pelo ódio contra a Rússia. Yanukovich está em seus olhos um Ascaro da Rússia, amigo de Putin e do homem do Oriente. Eles odeiam tudo o que tem a ver com a Rússia. Esse ódio prende-los juntos, este é um bloco de ódio. Para colocá-lo claramente: o ódio é a sua ideologia política. Eles não gostam da União Europeia ou de Bruxelas.
Quais são os principais grupos? Quem domina a oposição?
Dugin: Eles são claramente os grupos neo-nazistas mais violentas do chamado Euro-Maidan. Dar origem a uma situação de violência e guerra civil em Kiev.
A Madia dominante ocidental argumentam que o papel desses grupos extremistas é dramatizada pela mídia de oposição pró-russa para difamar a aliança inteira.
claro. Como é que eles querem justificar que os governos da União Europeia e europeus argumentam extremistas neo-nazistas e racistas fora da UE, enquanto que no interior demasiado grave e melodramático executar ações contra os grupos mais moderados da extrema-direita?
Mas como eles podem, por exemplo, grupos de homossexuais e grupos liberais de esquerda e luta lado a lado com os neo-nazistas, conhecido por ser nem um pouco gay friendly?
Primeiro de tudo, todos esses grupos odeiam a Rússia eo Presidente russo. Isso faz com que eles odeiam comparsas. E os grupos liberais de esquerda não são grupos neonazistas menos extremistas. Nós tendemos a pensar que eles são liberais, mas eles estão errados terrivelmente. Especialmente na Europa Oriental e na Rússia, muitas vezes, os grupos de lobby homossexual e ultra-nacionalistas e neonazistas são aliados. Até mesmo o lobby homossexual tem ideias muito radicais sobre como deformar, re-educar e da sociedade influência. Não podemos esquecer isso. O lobby lésbica-gay não são menos socialmente perigosos neonazistas.
Sabemos que tal aliança também está presente em Moscou. O blogueiro liberal e candidato ao cargo de prefeito de Moscou, Alexei Nawalnij foi apoiado por tal uma aliança de organizações pelos direitos dos gays e grupos neo-nazistas.
Exatamente. E essa coalizão pró-Nawalnij também foi apoiado pelo Ocidente. A questão é que isso não tem nada a ver com a ideologia desses grupos. Ela não afeta o Ocidente.
O que quer dizer?
que se a organização neo-nazista afirmou Putin na Rússia ou na Ucrânia Yanukovych?
A UE provocaria uma enorme campanha política na grande mídia ocidental para destacar um tal escândalo.
Exatamente. Portanto, é apenas o que é parte de um determinado grupo. Se o grupo é contra Putin, contra Yanukovych, contra a Rússia, a ideologia não é um problema. Se este grupo apoia Putin, a Rússia ou a Yanukovych, a ideologia torna-se imediatamente um grande problema. Isto é apenas o lado geopolítica pertence ao grupo. Não é nada, mas geopolítica. É uma boa lição sobre o que acontece na Ucrânia. A lição nos diz: A Geopolítica domina esses conflitos e nada mais. Estamos vendo isso em outros conflitos, Síria, Líbia, Egipto, o Cáucaso, Iraque, Irã ...
Qualquer grupo é a favor do Ocidente é um grupo de "bom", independentemente de saber se é extremista?
Sim, e qualquer grupo contra o Ocidente, embora secular e moderado, ele será definido como "extremista" pela propaganda ocidental. Esta abordagem tem vista para os campos de batalha geopolíticas de hoje. Você pode ser o lutador mais radical salafista e brutal, você pode odiar os judeus e comer órgãos humanos na frente de uma câmera, até lotes aos interesses ocidentais contra o governo sírio é um aliado respeitado e apoiado pelo Ocidente. Ao defender uma sociedade multi-religiosa, seculares e moderados todos os ideais ocidentais, mas tem uma posição contrária aos interesses ocidentais, como o governo sírio, você é um inimigo. Ninguém está interessado no que você acredita, é apenas o lado escolha geopolítica é certo ou errado para o poder hegemônico ocidental.
Prof Dugin, em particular os grupos de oposição ucranianos que se autodenominam "nacionalistas" que discordo com você Eles dizem: "Nós somos contra a Rússia e contra a UE, temos um terceiro!" Ironicamente, até mesmo o lutador salafista em Síria teria dito a mesma coisa: "nós odiamos os americanos, tanto quanto o governo sírio". Existe algo semelhante a uma possível terceira posição neste geopolítica da guerra de hoje?
A idéia de ter uma terceira e independente de posição entre os dois blocos dominantes é muito comum. Eu tive algumas entrevistas e discussões interessantes com uma figura de liderança na guerrilha separatistas chechenos. Ele me confessou que realmente acreditavam na possibilidade de uma Chechênia islâmica independente e livre. Mas depois, ele percebeu que havia uma "terceira posição", sem chance. Ele percebeu que ele lutou contra a Rússia para o Ocidente. Foi uma ferramenta geopolítica do Ocidente, um Ascaro NATO no Caucasiano campo de batalha. A mesma verdade feia atinge o "nacionalista" ucraniano eo lutador Salafi árabe são Ascari Oeste. É difícil de aceitar, porque ninguém gosta da idéia de ser o idiota útil de Washington.
Para colocá-lo claramente: a "terceira posição" é absolutamente impossível?
hoje certamente. Há um poder terrestre e uma geopolítica marítimas. O poder da Terra hoje é a Rússia, o Washington marítimo. Durante a Segunda Guerra Mundial, a Alemanha tentou impor um terço. Esta tentativa foi baseada justamente os erros políticos de que falamos agora. A Alemanha continuou a guerra contra o poder marítimo britânico representado pelo império, e contra o poder da terra representado pela Rússia. Berlim lutou contra as principais forças globais e perdeu a guerra. A final foi a completa destruição da Alemanha. Assim, mesmo que a Alemanha forte e poderoso na época não era forte o suficiente para impor a terceira posição, os grupos, tanto pequenos e fracos que poderia fazê-lo hoje? É impossível, é uma ilusão ridículo.
Qualquer um que diz que, hoje, para lutar por um "terceiro lugar" é na verdade um Ascaro independente do Ocidente?
Na maioria dos casos, sim.
Moscou parece ser muito passiva. Rússia não vai apoiar qualquer delegado nos países da UE. Por quê?
Rússia não tem agenda imperialista. Moscou respeita a soberania e não interferir na política interna de qualquer outro país. E é uma política honesta e boa. Vemos isso também na Ucrânia. Vemos muitos mais político da UE e até mesmo políticos e diplomatas norte-americanos de viajar a Kiev para apoiar a oposição, políticos russos que apóiam Yanukovich na Ucrânia. Não devemos esquecer que a Rússia não tem interesses hegemônicos na Europa, mas os EUA não. Francamente falando, a União Europeia não é uma entidade europeia de verdade, é um projecto transatlântico do imperialismo. Não servir os interesses dos cidadãos europeus, mas a administração em Washington. L '"União Europeia" é na verdade anti-europeia e "Euro-Maidan" é na verdade "anti-euro-Maidan". Os violentos neonazistas na Ucrânia não são "nacionalista" ou "patriótico" ou "europeu" são apenas o Ascari EUA. O mesmo é verdadeiro para os grupos dos direitos dos homossexuais, organizações ou grupos, como FEMEN protestam liberais de esquerda.
(Entrevista de Manuel Ochsenreiter, traduzido por Alessandro Lattanzio)
anônimo